ACESSO
RESTRITO
  • Banner

Você está aqui:

  • Notícias
  • Movimentos sociais em defesa da reforma agrária e da moradia rechaçam a MP 759

Movimentos sociais em defesa da reforma agrária e da moradia rechaçam a MP 759

Representantes de movimentos sociais que defendem a moradia e a reforma agrária, de entidades ambientais e especialistas da área do direito fundiário criticaram duramente, nesta terça-feira (11), na Câmara, a Medida Provisória (MP 759/16) enviada ao Congresso pelo governo ilegítimo de Temer. Durante mais de duas horas em que o plenário da Câmara se transformou em Comissão Geral, presidido na maior parte do tempo pelos deputados petistas Afonso Florence (BA) e Givaldo Vieira (ES) – presidente da Comissão de Desenvolvimento Urbano- a proposta foi classificada como um retrocesso no processo de regularização fundiária do País.

As principais críticas de representantes da sociedade civil e de especialistas à MP 759 se concentraram na ausência de normas para definir a função social da terra, no desmonte do sistema de regularização fundiária existente no campo e na violação dos atuais marcos legais da política urbana.

Para o representante do MST, Alexandre Conceição, as propostas da MP como a “legitimação fundiária” e a facilitação da transferência de propriedade pública em áreas da Amazônia Legal e áreas de Marinha, podem acabar facilitando a regularização de terras invadidas por grileiros.

“O objetivo dessa MP é dar terra para os grileiros, fortalecer o mercado imobiliário e acabar com a terra pública no País. Querem acabar com as organizações sociais do campo e com os assentados da reforma agrária, ao mesmo tempo em que querem dar terra para o mercado”, acusou.

Já a representante da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), Cléia Eunice (Nicinha) Porto, disse que a proposta da MP que elimina a possibilidade de pagamento, via Título da Dívida Agrária (TDAs), para aquisição de terras para a reforma agrária e estipula o pagamento em dinheiro, vai transformar o Incra em um balcão de negócios.

“Imagine o que será feito com propriedades confiscadas por causa de uso de mão de obra escrava, ou do plantio de drogas? O Incra vai se tornar um balcão de negócios, e servirá como imobiliária para ativar o mercado de terras no País”, argumentou.

Em relação à regularização fundiária urbana, a MP 759 também foi criticada pela defensora pública de São Paulo, Luiza Veloso. Ela disse que as regras que criam tratamento desigual entre ricos e pobres, flexibilizando a regularização de loteamentos e condomínios fechados “não reconhece o direito social à propriedade”, como manda atualmente a legislação.

Representando o PT no debate, o deputado João Daniel (PT-SE) afirmou que a MP 759 representa mais um golpe contra os direitos do povo brasileiro.

“Em tempos de golpe, essa é mais uma lei que retira direitos, que está a serviço dos grileiros de terra e do agronegócio. Só uma grande mobilização pode impedir que essa MP seja aprovada”, alertou.

Héber Carvalho

 

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotoswww.flickr.com/photos/ptnacamara

Fonte: https://www.ptnacamara.org.br

Tags:

Governo
Camara
Pt
Pt Camara
GABINETE
BRASÍLIA / DF
Anexo IV, Gabinete 805 - CEP 70160-900
Fones: (61) 3215-5805/3805
Fax: (61) 3215-2805
dep.givaldovieira@camara.leg.br
GABINETE
SERRA / ES
Av. Eldes Scherrer Souza, 2230
Salas 809/810 - Colina de Laranjeiras
CEP 29167-080
agenda.deputadogivaldo@gmail.com